CBDN

Você pode não acreditar, leitor, mas o desenvolvimento da CBDN (Confederação Brasileira de Desportos na Neve) remonta ainda na década de 1960. Nesta década surgiu o Clube de Alpino Paulista, que solicitou à então CBD a participação brasileira no Mundial de Esqui Alpino, realizado em Portillo, no Chile. 
Em 1967 a entidade foi aceito pelo conselho da FIS como membro temporário até surgir uma federação brasileira que regulamentasse os esportes de inverno. Nessa aba, coube ao Clube organizar também as participações nos mundiais de 1970 (Val Gardena, Itália), 1974 (Saint Moritz, Suiça), 1985 (Bormio, Itália), 1987 (Crans Montana, Suiça) e 1989 (Vail, EUA). 
Ainda neste último ano o CAP se junta ao Clube de Ski Paulista e o Clube Paranaense de Ski para originar a Associação Brasileira de Ski (ABS), instituída em 1990. Mas esportes de neve não se restringem apenas ao Esqui Alpino. 
Em 1994, num congresso no Rio de Janeiro, o Snowboard foi considerado modalidade oficial, e a ABS passou a regulamentar também o novo esporte, mudando de nome para Associação Brasileira de Ski e Snowboard (ABSS).
Dois anos depois o Esqui Cross Country brasileiro também começou a se desenvolver com suas primeiras provas. Assim, de forma definitiva, a ABSS passou a se chamar CBDN em 2003, atendendo a todos os esportes de neve. 
Tanto que em 2004 foi a vez do biatlo ganhar suas primeiras provas e adeptos aqui no Brasil e em 2011 o Esqui Cross como modalidade no Esqui Livre, que havia se tornado olímpico meses antes. 

A evolução gradual prosseguiu no ciclo olímpico de 2014. Jaqueline Mourão conseguiu a vaga inédita no biatlo ao mesmo tempo que Josi Santos e Lais Souza se aventuravam no esqui livre aerials. Aliás, foi nessa modalidade que surgiu a maior polêmica: Lais  sofreu um grave acidente na reta final de preparação para os Jogos de Sochi e ficou entre a vida e a morte. Ao mesmo tempo que respondia críticas e polêmicas, a CBDN viu Josi Santos conseguir a última vaga e também representar o Brasil de forma inédita na neve olímpica. 

Com um recorde de participação em Sochi, a CBDN já prepara seu grande salto: a entidade começou a elaborar planos de negócios para as modalidades e que visam os Jogos de 2026. Até lá, o objetivo é um só: transformar o Brasil em uma potência olímpica de inverno. 

Esportes regulamentados e desenvolvidos pela CBDN
  • Esqui Alpino
  • Snowboard
  • Esqui Cross Country
  • Biatlo
  • Esqui Livre
Retrospecto da CBDN (participações)
  • Mundiais de esqui alpino: 1966, 1970, 1974, 1985, 1987, 1989, 1991, 1993, 1996, 1997, 1999, 2003, 2005, 2007, 2009, 2011, 2013
  • Mundiais de Snowboard: 1996, 1997, 1999, 2001, 2003, 2005, 2007, 2009, 2011, 2013
  • Mundiais de Esqui Cross Country: 2005, 2007, 2009, 2011, 2013
  • Mundiais de Esqui Livre: 2011, 2013
  • Mundiais de Biatlo: 2012, 2013
Retrospecto da CBDN (Jogos Olímpicos)
  • 1992 (Albertville): Sergio Schuler, Marcelo Apovian, Fabio Igel, Robert Scott, Hans Egger, Christian Lothar Munder e Evelyn Schuler (esqui alpino)
  • 1994 (Lillehamer): Christian Lothar Munder (esqui alpino)
  • 1998 (Nagano): Marcelo Apovian (esqui alpino)
  • 2002 (Salt Lake City): Mirella Arnhold e Nikolai Hentsch (esqui alpino), Alexander Douglas Penna e Franziska Becskehazy (Cross Country)
  • 2006 (Turim): Mirella Arnhold e Nikolai Henstch (esqui alpino), Hélio Freitas e Jaqueline Mourão (Cross Country) e Isabel Clark (Snowboard)
  • 2010 (Vancouver): Jhonatan Longhi e Maya Harrison (esqui alpino), Leandro Ribela e Jaqueline Mourão (Cross Country) e Isabel Clark (Snowboard)
  • 2014 (Sochi): Jhonatan Longhi e Maya Harrison (esqui alpino), Leandro Ribela (Cross Country), Jaqueline Mourão (Cross Country e Biatlo), Isabel Clark (snowboard) e Josi Santos (esqui livre aerials).
Tecnologia do Blogger.