COI aprova novos esportes para os Jogos de Inverno de 2022

Reunião do Comitê Executivo do COI: novos esportes no programa de inverno (Greg Martin/IOC)

Na mesma reunião em que definiu o cronograma e o calendário dos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020, o COI (Comitê Olímpico Internacional) anunciou a inclusão de novas modalidades esportivas no programa dos Jogos de Inverno de Pequim, em 2022. A medida vista atender a igualdade de gênero na disputa, um dos pilares da Agenda 2020 e seu pacote de medidas para deixar a competição mais sustentável.

Tanto que, das seis, quatro são eventos mistos: revezamento na Patinação de Pista Curta e competições por equipes no Esqui Saltos, Esqui Livre Aerials e Snowboard Cross. Completam a lista o Monobob feminino e o Esqui Livre Big Air para homens e mulheres. Diferentemente de anos anteriores, a entrada desses esportes não significou a saída de outros, mas a redução de participantes em algumas modalidades. 

A Patinação de Velocidade e o Biatlo foram os mais afetados e perderam 26 e 20 cotas, respectivamente. Se somarmos os eventos de Esqui Alpino, Cross-Country, Esqui Livre e Snowboard (todos regidos pela FIS), temos uma diminuição de 41 competidores. Pelos cálculos do COI, cerca de 2,9 mil atletas devem participar, com 54,56% de homens e 45,44% de mulheres - recorde histórico 

"Estou muito satisfeito em ver o aumento de atletas do sexo feminino, especialmente em eventos empolgantes e inovadores. Ao mesmo tempo, estamos mostrando uma mensagem de que o tamanho dos Jogos Olímpicos de Inverno está sendo tratado de forma adequada", comentou Kit McConnell, diretor de esportes do COI.

Mas não é bem assim. As medidas tomadas pela entidade geraram uma série de protestos entre as mulheres por duas razões bem simples. A principal é a inclusão de modalidades que não são populares ao invés das mais tradicionais, como é o caso do Monobob no lugar do quarteto feminino no Bobsled.

Além disso, a utilização de eventos mistos não chega a ser uma promoção da participação feminina. Afinal, quem competirá nos eventos mistos serão atletas que já se classificaram nesses esportes em provas individuais. A melhor forma de valorizar a presença das mulheres nos Jogos Olímpicos é permitir que elas possam competir nas mesmas provas que os homens e em quantidade igual.

Por isso mesmo havia a expectativa da entrada do Combinado Nórdico feminino já para os Jogos de Pequim, o que não ocorreu - a modalidade segue como a única exclusivamente masculina no programa olímpico. Também havia uma torcida para que o Telemark também entrasse por ser o berço do esqui moderno, mas a FIS terá que esperar mais quatro anos para isso.

Confira o que muda em cada esporte dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022: 

Bobsled: o número de cotas segue o mesmo (170), mas agora são 124 homens e 46 mulheres, com a entrada do Monobob feminino. Só não foi divulgado ainda quantas mulheres irão participar do Monobob e onde acontecerá a redução masculina.
Skeleton: o número de cotas continua em 50, mas agora há igualdade de gênero, com 25 homens e 25 mulheres ao invés de 30 trenós masculinos e 20 femininos.
Luge: houve uma redução de quatro competidores, passando de 110 para 106. São 71 vagas para os homens (somando disputa individual e duplas) e 35 para mulheres (incremento de oito competidoras). A redução deve vir nas duplas.
Curling: a disputa por equipes segue a mesma, com dez equipes masculinas e femininas. As duplas mistas passaram de oito para dez competidores.
Hóquei no Gelo: a competição masculina segue com 12 equipes, enquanto que a feminina passou de oito para dez seleções.
Patinação: ainda não foi definido o número de cotas para cada uma das modalidades (artística, velocidade e pista curta). Sabe-se, apenas, que o total será 422 atletas, com divisão igualitária de gênero e inclusão do revezamento misto na pista curta. Em PyeongChang foram 448 atletas e a redução maior deve ser da patinação de velocidade.
Biatlo: segue com as mesmas categorias (sprint, perseguição, individual, largada coletiva, revezamento por equipe, revezamento duplas e revezamento misto), mas terá uma redução de 230 vagas para 210, com igualdade entre os gêneros.
Esqui Alpino: não houve inclusão de novos esportes, mas o número de cotas caiu de 320 para 306, com divisão igualitária de gêneros.
Esqui Cross-Country:  não houve inclusão de novos esportes, mas o número de cotas caiu de 310 para 296, com divisão igualitária de gêneros.
Esqui Saltos: o esporte ganhou a disputa mista por equipes e isso aumentou o número de cotas de 100 para 105, com 65 homens e 40 mulheres.
Esqui Livre: houve a inclusão da disputa mista no aerials e do big air, mas o número de cotas subiu pouco, de 282 para 284 competidores. A quantidade exata de atletas por modalidade será definido posteriormente.
Combinado Nórdico: sem a inclusão das mulheres, o esporte segue com as três competições masculinas e um total de 55 cotas.
Snowboard: a inclusão da disputa mista do snowboard cross não aumentou o número de cotas. Pelo contrário, reduziu de 258 para 238. A quantidade exata de atletas por modalidade será definido posteriormente. 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.