Com esporte paralímpico em alta, CBDN prepara novo ciclo olímpico

Bom desempenho em PyeongChang colocou esportes paralímpicos em alta na CBDN (Márcio Rodrigues/MPIX/CPB)

Em 2015, a CBDN (Confederação Brasileira de Desportos na Neve) deu o passo mais ousado em toda a sua trajetória esportiva. Mediante a análise e cruzamento de informações de mais de 90 mil atletas e 300 trabalhos científicos, a entidade moldou seus business plans, os planejamentos de cada modalidade até 2026. Agora, após completar o primeiro ciclo olímpico dessa estratégia, é hora de manter esse crescimento.

Após a conclusão dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de PyeongChang, a confederação realinhou as expectativas e projeções para os próximos anos. Por mais que os resultados de seus atletas olímpicos na Coreia do Sul não tenham sido os melhores, ela sabe que os últimos quatro anos foram os melhores da história das modalidades de neve no Brasil. Assim, o planejamento segue inalterado.

"O trabalho é revisitado, mas as prioridades continuam as mesmas, com o foco no esqui cross-country e no aerials", confirma Pedro Cavazzoni, CEO da CBDN, ao Brasil Zero Grau.

Não só os dois esportes, evidentemente. Teve uma categoria que cresceu bastante nos últimos dois anos e também se tornou uma das estrelas do business plans: o esqui cross-country paralímpico. O bom desempenho de Cristian Ribera e Aline Rocha nos Jogos de PyeongChang fez a entidade rever a estratégia para esta disciplina.

"Depois de Sochi, abriu uma avenida de oportunidade. Começamos a entender mais esses esportes e acreditamos no projeto. Ele se mostra viável para ser praticado aqui e temos resultados até mesmo antecipados do que a gente previa", confirma Cavazzoni.

Tanto que neste último trimestre, a CBDN criou três polos de treinamento e desenvolvimento do esqui cross-country em São Carlos, Jundiaí e Santos, todas no estado de São Paulo. A ideia, claro, é atrair mais praticantes e, desde cedo, inseri-los nas competições de esqui cross-country paralímpico por meio do rollerski.

Esse crescimento coincide com o processo de transição da confederação. Após 16 anos, Stefano Arnhold deixa a presidência e dá lugar a Karl Anders Petterson. Em 2017, foi aprovado o novo estatuto, com foco em governança e transparência na gestão. No início de 2018, lançou o programa Snow Clube como alternativa para compensar a queda na arrecadação da Lei Piva e dos convênios federais.

Confira a perspectiva de cada modalidade da CBDN neste próximo ciclo olímpico: 

Esqui Alpino

Apesar de ser o primeiro esporte de inverno oficialmente praticado pelos brasileiros, o esqui alpino não possui tanto destaque na matriz estratégica da confederação por conta do alto custo envolvido no treinamento, a dificuldade de "tropicalização", ou seja, de adaptar a prática para o clima do Brasil, e a intensa competitividade no cenário internacional. O objetivo, portanto, é mapear possíveis competidores com cidadania brasileira e garantir uma estrutura para que eles possam competir e garantir a classificação aos principais eventos esportivos. 

Snowboard

Ainda como presidente da CBDN, Stefano Arnhold declarou que a geração para o snowboard era muito nova e, provavelmente, brigaria por vaga olímpica apenas em 2026. No planejamento estratégico, a modalidade tem destaque com o slopestyle, principalmente após a aposentadoria de Isabel Clark, especialista no snowboardcross. A entidade esperava esse intervalo em 2022, mas um "projeto pontual" pode mudar esse status: o jovem Zoan Bethonico vai completar 15 anos e pode estrear no circuito internacional da FIS nesta temporada. Como os resultados dele foram excelentes no Canadá, há expectativa de que pode brigar pela classificação no freestyle nos próximos Jogos Olímpicos. 

Esqui Cross-Country + Biatlo

O sucesso do projeto Ski na Rua mostrou que é possível treinar as duas modalidades em alto nível em nosso país e conseguir bons resultados internacionais. Em pouco mais de quatro anos, a iniciativa já classificou um atleta aos Jogos Olímpicos da Juventude, às Olimpíadas de PyeongChang, disputou Mundiais e tem uma nova geração pulverizando recordes nacionais. O investimento no endurance, portanto, irá continuar, com a entrada de mais atletas e a participação em mais provas e training camps na Europa. 

Esqui livre Aerials

Apesar de não ter classificado nenhuma atleta em PyeongChang, o aerials segue em alta no planejamento da CBDN. Atualmente, há três meninas que seguem treinando a parte física e as técnicas de salto - além de participarem de camps em Belarus. O objetivo é elas estrearem internacionalmente nesta temporada e, evidentemente, aumentar a equipe para formar um grupo forte até os Jogos de 2026 - daqui oito, a meta é brigar pelo Top 6 na disputa feminina. 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.