Sem Pan-americano, Brasil muda seus planos no Hóquei no Gelo

Brasil foi bronze no Pan de Hóquei no Gelo, em 2015 (Divulgação)

O ano de 2018 vai marcar uma nova fase para o hóquei no gelo do Brasil. Após quatro temporadas, o país deixará de disputar o Campeonato Pan-americano, no México, para se aventurar em outras competições na Europa. A principal delas será a Development Cup, que reúne países filiados à IIHF, mas que não disputam as divisões de acesso do Mundial da modalidade. 

O evento acontecerá em Füssen, na Alemanha, entre 18 e 24 de novembro deste ano. A seleção brasileira não será a única representante do continente americano: a Argentina também abdicou do torneio regional neste ano. Andorra, Irlanda, Portugal, Macedônia e Marrocos, campeão da primeira edição, em 2017, são os demais países confirmados na competição. 

"Esse ano reformulamos os projetos da seleção. Em vez do Pan-americano, que mudou de formato e deixou de ser interessante para nós, iremos disputar a Development Cup", confirmou Salvador Neto, responsável técnico do hóquei no gelo na CBDG. 

Criado em 2014 por iniciativa da Federação Mexicana de Hóquei no Gelo, o Pan-americano da modalidade sobreviveu por quatro temporadas mesmo sem qualquer apoio do Canadá e dos Estados Unidos, gigantes do esporte na região. Entretanto, a disputa perdeu importância a cada edição e, neste ano, sequer foi confirmada pela organização - normalmente os jogos acontecem na primeira semana de junho.

O Brasil Zero Grau entrou em contato com a Federação Mexicana, que confirmou que o Pan ainda não tem uma data prevista para ser realizado. Há uma proposta de levar as partidas para Querétaro, distante 221 quilômetros da Cidade do México, e de permitir a participação de clubes locais - dois fatores que desagradaram Brasil, Argentina e Colômbia, países presentes nas quatro edições realizadas. 

Preocupada com sua imagem perante parceiros, patrocinadores e a IIHF, a CBDG resolveu, dessa forma, evitar competições que mesclam seleções nacionais com clubes e se inscrever apenas em eventos reconhecidos pela entidade internacional e que possibilitem um intercâmbio real para a modalidade. 

Isso explica, por exemplo, porque o Brasil também não participará da Latam Cup, evento universitário nos Estados Unidos que acontecerá entre 9 e 11 de novembro. O torneio convidou os países que participavam do Pan, mas ele possui o mesmo inconveniente: a inscrição de clubes regionais, além de não ser organizado pela confederação norte-americana de hóquei. 

Entretanto, a CBDG não vai proibir a participação de equipes e atletas brasileiros que desejem participar do Pan ou da Latam Cup. Os jogadores são livres para enviarem uma equipe, mas não terão apoio direto da entidade. Ou seja, terão que arcar com todos os custos, como transporte, alimentação e hospedagem. 

Com novos objetivos e na primeira temporada do ciclo olímpico para 2022, a confederação aproveitou para mudar o comando técnico. Após três temporadas, o norte-americano Jens Hinderlie deixa o cargo de treinador e será substituído pelo sueco Krister Almström. Ele mora no Brasil há algum tempo e, na sua juventude, chegou a competir na liga sueca de hóquei no gelo. 

As atividades relacionadas à Development Cup começarão de forma oficial no dia 5 de agosto, com uma seletiva para os atletas na quadra de hóquei inline na Vila Guarani, em São Paulo. Depois da escolha dos jogadores, o grupo irá fazer uma série de treinos no local para garantir o máximo de entrosamento possível - além, é claro, do trabalho nos bastidores para garantir o apoio de empresas à seleção de hóquei no gelo. 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.