Chiara Marano e Isabella Springer competem no esqui alpino

Chiara Marano volta a representar o Brasil no esqui alpino (Reprodução)

Chiara Marano e Isabella Springer, representantes do Brasil no esqui alpino feminino, participaram de provas na modalidade neste início de ano. Ainda sonhando com o índice olímpico para os Jogos de Inverno de PyeongChang, as duas competiram na Eslovênia e na Alemanha entre os dias 3 e 4 de janeiro. 

Aos 25 anos, Chiara Marano é a atleta mais experiente do esqui alpino brasileiro. Após uma ausência de três anos para se dedicar aos estudos, ela retornou às competições em abril de 2017 para tentar buscar a vaga olímpica. Com alguns cancelamentos em dezembro, ela fez sua estreia nesta temporada em duas provas de Slalom Gigante em Kranjska Gora, na Eslovênia. 

Na primeira corrida, no dia 3, a brasileira foi a 36ª com 1min57seg55 e 189.68 pontos FIS - Erika Pykalainen, da Finlândia, venceu com 1min40seg58 e 24.33 pontos FIS. No dia seguinte, Chiara repetiu a 36ª posição, com 1min56seg24, mas 199.85 pontos FIS - Pykalainen venceu mais uma com 1min38seg49 e 23.23 pontos. 

Isabella Springer, por sua vez, é a caçula e, aos 17 anos, participa de sua primeira temporada no esqui alpino também para tentar cravar o índice olímpico B no esqui alpino. Após uma maratona de provas na Áustria e Itália entre novembro e dezembro, a jovem atleta do Brasil participou de duas corridas de Slalom em Bad Wiessee, na Alemanha.

Ela não teve tanta sorte na primeira corrida: não completou a primeira descida e ficou de fora da classificação final - Lara Della Mea, da Itália, venceu com 1min16seg75 e 16.68 pontos FIS. No dia seguinte, Isabella foi a 32ª com 1min39seg47 e 237.42 pontos FIS. A alemã Julia Mutschlechner foi a primeira colocada com 1min16seg13 e 16.68 pontos FIS. 

Tanto Chiara quanto Isabella Springer devem participar de mais algumas provas de esqui alpino na temporada, mas o principal objetivo está cada vez mais improvável. Nenhuma das duas conseguiu uma marca abaixo dos 140 pontos FIS e o índice olímpico B exige cinco resultados com esse limite  até 22 de janeiro para garantir uma cota nos Jogos Olímpicos de PyeongChang, em fevereiro de 2018. 

Isabella Springer (Arquivo Pessoal)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.