Mesmo com ausências, Grand Prix Final tem recordes na patinação

Gabriella Papadakis e Guillaume Cizeron conquistaram o primeiro Grand Prix Final com recorde (Divulgação)

Alguns dos melhores patinadores do mundo não estiveram na disputa, mas nem por isso o Grand Prix Final de Patinação Artística deixou de apresentar o que o esporte tem de melhor. A etapa decisiva da competição aconteceu em Nagano, no Japão, entre 7 e 10 de dezembro, e teve até recorde mundial de pontos na Dança no Gelo.

Bicampeões mundiais em 2015 e 2016, a dupla Gabriella Papadakis e Guillaume Cizeron, da França, conquistaram o primeiro título do Grand Prix Final da carreira com 202.16 pontos. É a primeira vez que uma equipe ultrapassa a barreira dos 200 pontos na Dança no Gelo. Antigos detentores do recorde, os canadenses Tessa Virtue e Scott Moir terminaram na segunda posição (curiosamente com a mesma pontuação do antigo recorde: 199.86). Os irmãos Maia e Alex Shibutani, dos Estados Unidos, completaram o pódio. 

"É a primeira vez que conquistamos o Grand Prix Final, então é mais uma coisa que podemos tirar da nossa lista. O programa, contudo, ainda não está perfeito. Ainda há algumas coisas que podemos melhorar nos dois programas, tanto na parte técnica quanto deixá-lo mais consistente", afirmou Guillaume Cizeron. 

Nos Pares teve mais um recorde quebrado, mas foi o da competição. Os alemães Aliona Savchenko e Bruno Massot conquistaram o primeiro título da dupla na elite da patinação com 236.68 pontos, a melhor nota da história do Grand Prix e a segunda maior da história nesta categoria (atrás apenas dos 237.71 dos russos Tatiana Volosozhar e Maxim Trankov, de 2013). Os chineses Wenjing Sui e Cong Han, atuais campeões mundiais, ficaram com a prata. Os canadenses Meagan Duhamel e Eric Radford ganharam o bronze.

No individual feminino, a bicampeã Evgenia Medvedeva não participou desta temporada por conta de uma lesão nas costas. Dessa forma, a jovem russa Alina Zagitova (foto), que faz sua primeira temporada na categoria senior, foi a campeã com 223.30 pontos - a quarta melhor marca da história. Maria Sotskova, da Rússia, terminou na segunda posição e Kaetlyn Osmond, do Canadá, completou o pódio. 

Por fim, o individual masculino não teve as presenças do espanhol Javier Fernandez e do japonês Yuzuru Hanyu, atletas que monopolizaram a patinação artística entre os homens neste ciclo olímpico. Sem eles, o jovem Nathan Chen, dos Estados Unidos, conquistou seu primeiro título do Grand Prix final com 286.51 pontos, apenas 0.50 à frente de Shoma Uno, do Japão. Mikhail Kolyada, da Rússia, garantiu o bronze. 

Por conta dos Jogos Olímpicos de Inverno, os atletas terão pouco tempo de descanso. Em janeiro, entre 15 e 21, acontece o Campeonato Europeu de Patinação Artística em Moscou, na Rússia. Na sequência, entre 22 e 27, Taiwan realiza o Four Continents, com atletas da América, Ásia, África e Oceania. 

Disputa Júnior tem vitórias de favoritos 

Durante a competição senior do Grand Prix Final, Nagano também sediou as apresentações do Grand Prix Júnior de patinação artística. A competição consagrou os favoritos nas quatro categorias. Entre os homens, o ouro ficou com o norte-americano Alexei Krasnozhon, que conseguiu 236.35 pontos. No feminino, vitória da russa Alexandra Trusova, com 205.61 pontos. Nos pares, a dupla Ekaterina Alexandrovskaya e Harley Windsor, da Austrália, conquistaram o título com 173.85. Por fim, na Dança no Gelo, outro ouro para a Rússia com Anastasia Skoptcova e Kirill Aleshin, que conseguiram 153.61 pontos em sua nota final. 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.