COI abre processo de candidatura para os Jogos de Inverno de 2026

Thomas Bach, presidente do COI (Greg Martin/IOC)

Após dois processos problemáticos para a escolha da sede dos Jogos Olímpicos de 2022 e 2024, o Comitê Olímpico Internacional (COI) iniciou na última terça-feira, 17 de outubro, um novo método para definir a cidade que receberá os Jogos Olímpicos de Inverno de 2026. A expectativa da entidade é finalmente colocar um ponto final na principal polêmica que atualmente envolve as candidaturas: o alto custo envolvido sem um legado real para o país que abrigará o evento. 

A partir de agora, as cidades interessadas desenvolverão seus projetos em dois anos e em duas etapas, além de contar com o apoio do Comitê Internacional para criar uma candidatura que realmente seja viável economicamente (veja mais abaixo). Nada de apresentações e garantias formais. A ordem é dialogar para tentar limpar a imagem manchada da entidade com as últimas edições olímpicas - Sochi, por exemplo, gastou incríveis R$ 50 bilhões! 

O colega Marcelo Laguna, no LANCE!, já detalhou esse desafio enfrentado pelo COI. A entidade enfrentou problemas nos dois últimos processos de candidatura. Para os Jogos de 2022, uma onda de desistências deixou apenas Pequim (China) e Almaty (Cazaquistão) no páreo - a cidade chinesa foi a escolhida. Depois, para os Jogos de 2024, novamente apenas duas interessadas: Paris e Los Angeles. Um acordo inédito fez com que a cidade francesa ficasse com a edição de 2024 e a norte-americana fosse eleita para 2028 - garantindo um tempo maior para os dirigentes pensarem em uma alternativa. 

O Comitê Olímpico Internacional sabe que o processo de escolha da sede olímpica chegou em uma encruzilhada. Ou os projetos tenham custos reduzidos e mostrem ganhos reais para as cidades, ou então a rejeição tende a aumentar a níveis nunca vistos antes. Os Jogos Olímpicos transmitem uma mensagem poderosa, sem dúvida, mas hoje ela precisa estar integrada aos anseios e objetivos da sociedade.


O novo processo de candidatura

Inspirado na Agenda Olímpica 2020, o novo processo de candidatura busca um diálogo maior entre as cidades interessadas e o Comitê Olímpico Internacional. O objetivo, claro, é fazer com que os Jogos de Inverno sejam sustentáveis, viáveis economicamente e, principalmente, que estejam alinhados com o desenvolvimento a longo prazo do município, região e país que pretende sediar o evento. 

Agora, o processo compreende apenas duas etapas. A primeira é o "estágio do diálogo", que começou em 17 de outubro e terminará daqui um ano, em outubro de 2018. Nela, as cidades interessadas e seus Comitês Olímpicos Nacionais avaliam com o COI os benefícios e requisitos para receberem os Jogos de Inverno. Diferentemente de outros anos, não é necessário apresentar propostas e garantias formais - nem tampouco fazer apresentações oficiais. O Comitê Internacional ainda irá disponibilizar, a seu próprio custo, especialistas técnicos para auxiliarem as pretendentes. 

Depois, entre outubro de 2018 e setembro de 2019, acontece o "estágio de candidatura". As cidades desenvolverão um "arquivo de candidatura", que deve ser enviado em janeiro de 2019, e continuarão recebendo apoio do COI para garantir que o projeto esteja alinhado com os objetivos de desenvolvimento do país. Em setembro de 2019, durante a Sessão do Comitê Internacional em Milão, na Itália, será anunciada a cidade vencedora. 

As candidatas

Mesmo antes de lançar oficialmente o processo de escolha da sede dos Jogos Olímpicos de 2026, o COI teve baixas importantes. A principal delas foi Innsbruck, na Áustria. Um referendo realizado pouco antes do início das candidaturas mostrou que a maioria da população rejeita receber os Jogos Olímpicos. Estocolmo, na Suécia, também recuou meses atrás por não ver garantias de que os custos seriam reduzidos.

Contudo, nem só de más notícias vive o Movimento Olímpico. Sion, na Suíça, recebeu o sinal verde do governo local de receber uma ajuda de 995 milhões de euros para a candidatura e a realização dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2026 - desde que utilize a infraestrutura já existente em vários cantões do país. A cidade suíça é a primeira que informou oficialmente seu interesse em ser sede olímpica. 

Resta, agora, saber quem fará companhia aos suíços. Calgary, no Canadá, aguarda aprovação do Conselho Municipal para também demonstrar interesse ao COI - a reeleição do prefeito Naheed Nenshi, incentivador dos Jogos Olímpicos, é um trunfo a mais para a cidade. Já o Comitê Olímpico dos Estados Unidos também sinalizou a possibilidade de lançar uma candidatura. Salt Lake City já criou um comitê para avaliar um possível interesse. Já Sapporo, no Japão, e Erzurum, na Turquia, seguem avaliando uma possível candidatura para 2026. 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.