Paraquedista Gui Pádua integra equipe brasileira de skeleton

Gui Pádua com a bandeira brasileira e jaqueta da CBDG (Divulgação)

Após 17 mil saltos de paraquedas, título mundial de skysurf em 1996, recordes mundiais de skysurf sem oxigênio (2004) e de tempo em queda livre (2007) e participações em ultramaratonas, Gui Pádua resolveu buscar novas aventuras. Nesta temporada ele passou a integrar a equipe brasileira de skeleton e mira a classificação para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2018 em Pyeongchang, na Coreia do Sul.

Após realizar uma série de treinamentos e descidas em Königssee, na Alemanha, no fim de 2016, Gui Pádua iniciou nesta quinta-feira, 12 de janeiro, sua caminhada olímpica. Ele está em St. Moritz, na Suíça, e participou da Copa Europeia. O brasileiro terminou na 37ª posição, com 1min24seg16 – o vencedor foi o alemão Felix Keisinger.

“Eu e meu técnico [Peter Meyer, da Alemanha] elaboramos um método de treinamento profissional, trocamos o trenó por um mais adequado e realizamos outros investimentos. Era o que precisava fazer para crescer. Estou me dedicando bastante para conseguir evoluir no skeleton e atingir meus objetivos”, afirma Gui.

O interesse pelo skeleton surgiu em 2010, durante os Jogos Olímpicos de Vancouver, no Canadá. Na época, ele era contratado pela TV Record e a emissora possuía os direitos de transmissão do evento esportivo para o Brasil. Em sua visão, a modalidade era a que mais se assemelhava ao paraquedismo. “A posição de descida na montanha é muito semelhante com o tracking no salto de paraquedas”, explica.

Mas foi a partir de um “empurrãozinho” olímpico que Gui Pádua tomou coragem e resolveu tirar o projeto do papel. Convidado para conduzir a Tocha Olímpica antes dos Jogos no Rio de Janeiro, ele se emocionou com o espírito olímpico. “Eu pensei: preciso participar como atleta de uma edição dos Jogos Olímpicos. Aí resolvi unir o útil ao agradável e me joguei de cabeça, literalmente!”, conclui o atleta, que tem o apoio da Sony e do energético Dopamina como patrocinadores.

Uma vida voltada ao esporte

A aventura de Gui Pádua é apenas mais um capítulo de uma vida construída pelo esporte. Tudo começou quando o jovem tinha 15 anos e morava em Campinas, no interior paulista. Ele realizou seu primeiro salto de paraquedas e, desde então, não parou mais. Em 1996, com 22 anos, sagrou-se campeão mundial de skysurf, o primeiro brasileiro a conseguir este feito. Assim, naquele ano, foi eleito o atleta do ano pelo COB. 

Os saltos e marcas continuaram nos anos seguintes: vice-campeão do X-Games em 1997, recordes mundiais em 2004 e 2007 e títulos brasileiros. Ao mesmo tempo graduou-se em cinema e adquiriu uma fazenda de café em Minas Gerais. Apresentou e participou de programas de televisão na Rede Globo, Rede Record, Sportv e Animal Planet. Em 2013 resolveu correu e passou a participar de ultramaratonas. Em 2015 e 2016 pousou de paraquedas em plena Sapucaí durante desfile da escola de samba Portela. "Tudo dá para conciliar. Sou um atleta full-time. Vivo o esporte e agora quero incluir mais essa modalidade em minha vida", explicou. 

Confira uma das descidas de Gui Pádua durante treinamento em St. Moritz, na Suíça: 

video

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.