América vai à luta no Mundial de Hóquei no Gelo

Sidney Crosby é o comandante do Canadá (Andre Ringuette/HHOF-IIHF Images)

Campeonato de seleções mais aguardado dos esportes de inverno, o Mundial de Hóquei no Gelo começou nesta sexta-feira, 1º de maio, em Praga e Ostrava, na República Tcheca. A competição reúne os 16 principais times da modalidade, mas o foco estará justamente nos representantes da América do Norte. 

Sempre favoritos, Canadá e EUA entram mordidos para apagarem os péssimos desempenhos nos últimos anos. A seleção canadense, por exemplo, é bicampeã olímpica, mas não vence o Mundial desde 2007 e sequer chega à final desde 2009. Já os norte-americanos vivem uma crise ainda pior: a última decisão foi em 1960, quando conquistaram o título, e não ficam entre os três primeiros desde 2004. 

A razão para isso é o mesmo vilão que ameaça a competição das duas equipes neste ano. O Mundial de hóquei no gelo masculino coincide com os playoffs da NHL, a principal liga da América do Norte e que conta com os principais atletas do mundo. Suas rivais europeias, como a KHL e CHL, já acabaram e os jogadores europeus estão livres para suas seleções. 

Mesmo assim, o Canadá se organizou para montar uma seleção forte e voltar a ter a hegemonia do seu esporte nacional. Sidney Crosby, considerado o maior jogador da atualidade, será o capitão do país. Ao seu lado, estarão remanescentes do ouro olímpico em 2014, como Dan Hamhuis, Mike Smith e Matt Duchene. Por fim, estrelas da NHL que não avançaram para a pós-temporada também foram convocados, como Tyler Seguin, Brent Burns e Claude Giroux. 

Já o time norte-americano terá uma missão mais difícil. A seleção foi forjada com jovens que estão na NHL, em ligas menores ou até mesmo na universidade. Os jogadores mais velhos, por exemplo, têm 27 anos. A expectativa é aproveitar o embalo da temporada. Nos outros quatro Mundiais de Hóquei no Gelo já disputados (feminino, feminino sub-18, masculino sub-20 e masculino sub-18), os norte-americanos conquistaram três medalhas de ouro e uma de prata!

A missão dos dois países americanos não será fácil. Atual campeã mundial, a Rússia continua forte e é favorita ao bicampeonato. Destaque também para a Finlândia e Suécia que, mesmo sem suas estrelas da NHL, também são cotadas ao título. 

O regulamento da competição é simples. As 16 seleções foram divididas em dois grupos com oito times em cada. Os quatro melhores avançam para as quartas de final, com o líder de uma chave enfrentando o quarto colocado da outra e o segundo contra o terceiro. A fase eliminatória é disputada em apenas uma partida e os vencedores avançam até à final. Os dois últimos na classificação geral serão rebaixados para a Divisão 1. 

O Mundial de Hóquei no Gelo prossegue até o dia 17 de maio e o Brasil Zero Grau dará boletins diários com todos os destaques das partidas. 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.