Deslizando

Rafael, Flávio e Tamara (Divulgação)

O único problema do luge em pista natural é a total dependência da boa vontade climática. Nesse ano, basta olhar as notícias para descobrir que a Europa vive um de seus outonos mais quentes na história. Isso atrapalhou e muito o desempenho dos atletas na primeira etapa da Copa do Mundo da modalidade, incluindo o brasileiro Flávio Macedo. 

Ele mandou relatos diários para o Brasil Zero Grau sobre a competição disputada em Kuhtai, na Áustria. Nos três dias de disputa a temperatura foi positiva com o sol brilhando no céu. Isso exigiu uma atenção redobrada dos organizadores para garantir que o gelo estivesse em boas condições. 

O momento chave foi no sábado, quando aconteceu a qualificação dos atletas para a descida da Copa do Mundo. O objetivo de Flávio era terminar entre os 30 primeiros, que garantiam a classificação para a prova decisiva, no domingo. Porém, faltou pouco: o brasileiro ficou na 31ª posição, com o tempo de  56seg70. 

"Com a melhoria das condições da pista paralela, a qualidade melhorou muito, mas não a forma de pilotagem. Para vencer as curvas era preciso deslizar com o trenó de lado ao invés de seguir uma linha - algo necessário com a velocidade elevada que o novo terreno proporcionou", comentou Flávio.

De fora da Copa do Mundo, restou ao atleta disputar a Copa das Nações no domingo. Porém, novos problemas surgiram. As baterias foram reformuladas momentos antes da disputa. Assim, a disputa de Flávio, que seria contra o esloveno Tadej Dragicevic, acabou sendo contra o turco Coskun Ercoskun, que levou a melhor na disputa. 

Com a eliminação, Flávio terminou na nona posição da disputa, garantindo sete pontos no ranking geral. Pela Copa do Mundo, o pódio foi totalmente dominado pela Itália. Patrick Pigneter conquistou o ouro ao vencer a disputa final contra Florian Clara. Já Florian Breitenberger ficou com o bronze. 

"Este foi o campeonato mais controverso dos últimos anos em termos de organização, já que até mesmo os resultados finais estavam em discordância, com nomes de atletas faltando na listagem tanto na Copa do Mundo quanto na Copa das Nações. Parece que os austríacos não conseguem lidar muito bem quando o plano principal falha. Desde o início tiveram de correr atrás do plano B e um monte de problemas ocorreram após as condições climáticas afetarem os alpes", lamentou o brasileiro.

A próxima competição acontece em Laas, na Itália, e seria entre os dias 20 e 21 de dezembro. Entretanto, por conta do clima, já foi adiado para 4 e 5 de janeiro. A expectativa é que até lá Flávio Macedo tenha companhia sul-americana. Rafael Manfrinato e a argentina Tamara Fissone não participaram desta primeira etapa por recomendação dos treinadores - eles não acharam seguro a participação de atletas mais inexperientes em uma prova tão inóspita como essa.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.