Um esporte de inverno que o Brasil domina...


Equipe brasileira vice-campeã mundial (Arquivo Pessoal)

Santa Cruz do Sul é uma cidade do Rio Grande do Sul famosa por sua Oktoberfest, a maior do estado e a segunda maior do país, atrás apenas da famosa, em Blumenau. O pacato município gaúcho de 118 mil habitantes é um dos principais núcleos da colonização alemã no Brasil e além da tradicional festa regada à cerveja também ficou conhecida no mundo todo por ser lar do eisstocksport nacional, uma modalidade  de gelo não-olímpica e que viu a seleção brasileira conquistar a medalha de prata no último Mundial, realizado em Innsbruck, na Áustria. 

Isso mesmo, caro leitor. Existe uma modalidade de inverno onde o Brasil se colocou na elite do alto rendimento. Melhor: foi o primeiro país sul-americano a conquistar um resultado do tipo e aumenta o lobby para que o Comitê Olímpico Internacional inclua mais um esporte no programa olímpico de inverno. 

Sergio Luiz Bohm, Samuel Bohm, Eduardo Schuster, Luis Eduardo Kaufmann e o técnico Milton Bressler foram os heróis que levaram a bandeira brasileira para o pódio da elite do Eisstocksport pela primeira vez na história. São eles que fizeram a Áustria ficar de boca aberta com o resultado, apesar de serem ilustres desconhecidos por aqui. 

Não é de se estranhar. Se o torcedor brasileiro sequer conhece atletas olímpicos de inverno, o que dirá de atletas de modalidades que não integram os Jogos. Veja vocês que a primeira publicação deles fora do Rio Grande do Sul é justamente essa postagem! Vamos conhecer um pouco mais sobre essa verdadeira epopeia. 


Conheça o Eisstocksport

Samuel Bohm (Arquivo)

Não seria exagero afirmar que o Eisstocksport é um irmão perdido do curling. Aliás, a própria modalidade é conhecida como "curling bávaro" por sua forte semelhança com a modalidade sensação dos Jogos de Inverno. 

A modalidade surgiu na Alemanha e é bastante popular na região, sendo bastante praticado também na Áustria, Suíça e em regiões da Itália. O primeiro registro do esporte é numa pintura de Pieter Brueghel, no século 16, mas apenas na década de 30 do século passado ele foi regulamentado em regras oficiais. 

O primeiro campeonato entre seleções surgiu em 1951, com o Europeu. Em 1983 foi organizado o primeiro mundial, após o surgimento da Federação Internacional de Ice Stock Sport, com o nome em inglês.Nos últimos anos também surgiu a variação para o verão, com o asfalto substituindo a superfície de gelo. Foi a solução encontrada para levar a modalidade para outros centros e aumentar o lobby de inclusão nos Jogos Olímpicos. 

Como se sabe, o esporte precisa ter um certo apelo em diferentes partes do globo para entrar na carta olímpica. Eles bateram na trave por duas vezes: o eisstocksport foi esporte de demonstração nos Jogos de 1936 e 1964. Em 2012 a campanha ganhou um novo gás, sendo novamente esporte de demonstração na primeira edição dos Jogos da Juventude de Inverno em 2012, novamente em Innsbruck. Agora com a prata dos brasileiros, a luta continua. 


Regras, definições e categorias

 

Sequência de lançamento (Montagem/Arquivo Pessoal)
Assim como o curling, o eisstocksport também exige atenção para entender as regras e o formato de disputa. O equipamento consiste em três partes: o cabo de arremesso, o stock e a base, que pode ser trocada de acordo com o piso. No caso do concreto ela consiste em um composto plástico enquanto que no gelo é de borracha. 

A modalidade pode ser disputada tanto na categoria por equipes quanto na categoria individual. São cinco disputas: equipe (quatro jogadores para cada lado), individual, individual por equipe, arremesso à distância individual e arremesso à distância por equipes. Vamos a elas:

Stock montado (arquivo)
  • Equipes: disputada numa pista de 24,5 metros do ponto de arremesso até o meio do retângulo oposto, o jogo possui seis rodadas. Uma das equipes começa as jogadas nas rodadas ímpares e outra nas pares. A vantagem fica alternada, mas pode ser perdida durante a rodada, caso uma equipe erre algum arremesso e não mate o ponto, esta deve ser jogada novamente. Ao contrário do curling, que tem um objetivo fixo (botão), no eisstocksport existe o Daube, dentro de um retângulo de 3x6 metros. O objetivo é deixar o stock mais perto dela. Quando ela é retirada do jogo, retorna ao meio do retângulo, servindo assim de uma estratégia de jogo. Ao fim de cada rodada apenas uma equipe marca um ponto, mas diferentemente do curling, a rodada não pode terminar empatada sem pontos. Quando se tem um stock perto do daube, são três pontos. Se deixar dois, são cinco pontos e assim até nove pontos, o limite da rodada.   

  • Individual: a prova é dividida em duas passagens iguais, onde cada atleta tem quatro rodadas. Cada passagem são 24 arremessos e cada rodada tem seis jogadas. Na primeira delas o objetivo do jogador é pontuar em um alvo que está no centro do lado oposto de onde se está jogando. A pontuação pode ser de zero a dez pontos, dependendo de onde parar o equipamento arremessado. Na segunda rodada o objetivo é retirar o stock da área de jogo do lado contrário. O stock que deve ser retirado fica em local e sequência pré-definida (A até F). Quando se retira o stock e o equipamento do jogador fica dentro da área de jogo, são dez pontos marcados; se os dois saem do jogo, são cinco pontos; quando não encosta, nenhum ponto. A terceira rodada é similar à primeira, mas em dois quartos de círculos ao fundo da área de jogo. O atleta deve pontuar três vezes no quarto de círculo esquerdo e outras três oportunidades do lado direito. A última rodada é uma prova combinada: ao mesmo tempo em que o jogador bate no stock, ele deve fazer com que seu stock marque pontos. Ao término das duas passagens, a pontuação será somada e ganha quem tiver maior pontuação. O limite de pontos é 480 pontos. O tempo de realização para cada passagem é de 18 minutos. 
 
Panorâmica das pistas (arquivo pessoal)

  • Individual por equipe: são as mesmas regras da prova individual, mas cada rodada é feita por um jogador diferente. Cada um tem seis arremessos de aquecimento e 12 arremessos valendo para a somatória dos pontos. Ganha a equipe que realizar a maior pontuação possível. 

  • Arremessos à distância: a pista tem seu comprimento alterado e varia conforme a competição. O atleta tem cinco tentativas e o stock que for mais longe é o levado em conta para a classificação. Na disputa por equipes, conta-se a melhor distância arremessada por cada atleta, somam todas e quem tiver a melhor marca, ganha.

Eisstocksport no Brasil

Pista de concreto no Brasil (Arquivo Pessoal)
Poucos devem se lembrar da Oktoberfest de 2003 em Santa Cruz do Sul. Mas foi lá que o eisstocksport foi mostrado pela primeira vez para os brasileiros. Renê Emmel, atual presidente da Federação Gaúcha Desportiva da modalidade, visitava sua irmã na Alemanha quando conheceu o esporte. Foi amor à primeira vista. Trouxe a modalidade para o país e o apresentou ao público na festa alemã.

A primeira pista construída tinha mais de 50 centímetros de caimento e como os primeiros equipamentos vieram montados para o país, os jogadores sequer imaginavam que poderiam ser desmontados e trocados.

Mas o que se viu a partir daí foi uma inesperada evolução. No ano seguinte o país já disputou seu Mundial, em Graz, na Áustria. Ainda em 2004, novamente no Oktoberfest, foi realizado o primeiro torneio internacional aqui no Brasil (na modalidade de verão, óbvio). Hoje em dia são três clubes e sete pistas em Santa Cruz do Sul, um clube e três pistas em construção em Lajeado e outro clube e três pistas prontas em Forquetinha. 

Em nível internacional, sempre disputado no gelo, o Brasil também evoluiu de maneira surpreendente. Em 2007 veio a primeira medalha do país, com o bronze no Europeu juvenil aberto. No mesmo ano, no Europeu adulto, a equipe masculina conquistou mais um bronze. 

Em 2008, a equipe feminina sagrou-se campeã da segunda divisão e os homens ficaram com a prata. Quatro anos depois, no Mundial Juvenil, o time masculino ficou com o bronze por equipes. Na disputa adulta, ainda em 2012, os homens repetiram a façanha das mulheres e conquistaram a medalha de ouro da segunda divisão. 

Até que neste ano, na sua quarta disputa do Mundial, tanto o time masculino quanto o feminino estavam na primeira divisão. Não bastasse isso, conquistaram a medalha de prata da primeira na disputa individual por equipe. Ficou na frente até da Alemanha, país criador do esporte, e ficou atrás apenas da Áustria. É essa conquista que vamos detalhar a partir de agora no Brasil Zero Grau.


"Como vocês fizeram isto?"

Comemoração da equipe brasileira após a prata (Arquivo Pessoal)


"Todos que viam a gente chegar se perguntavam: 'o que esse pessoal do Brasil faz aqui?' Para eles éramos mais uma equipe para ser derrotada. Na maioria dos casos nosso país era a única que não tinha a oportunidade de treinar no gelo. Nosso contato com essa superfície eram de duas a três horas já nos treinos oficiais. Com muito esforço, dedicação e suor, hoje o Brasil já não é mais visto com este olhar de desconfiança, e sim de respeito. Hoje o que eles pensam mudou: 'Como vocês fizeram isto?', muitos vinham perguntar".

A frase acima é do jovem Eduardo Schuster com exclusividade ao Brasil Zero Grau. Integrante da equipe ao lado de Sergio Bohm, Samuel Bohm, Luis Eduardo Kaufmann e o técnico Milton Bressler, ele não esquecerá jamais as disputas em Innsbruck. 

A surpresa começou logo no primeiro dia da disputa individual por equipe: o Brasil liderava com 98 pontos, na frente da Áustria e da Alemanha. A posição foi mantida na segunda rodada e no fim da terceira os três países estavam empatados na primeira colocação com 276 pontos. "Na última etapa, a torcida estava em pé no ginásio, onde muitos destes espectadores estavam de olho na pontuação brasileira, coisa que pra muitos era inacreditável", se empolga Eduardo. 

Medalha de prata garantida (Arquivo Pessoal)
Mesmo com um jovem de 15 anos no último arremesso, o Brasil fez mais 44 pontos, somou 320 no total e ficou na segunda posição, atrás da Áustria, mas na frente de Alemanha e Itália.  "A medalha realmente não era esperada, e por isso foi tão festejada por nós e muitas pessoas no ginásio", prossegue. 

Festejada porque coroa uma evolução conquistada na marra. Da mesma forma que esportes mais conhecidos, o eisstocksport sofre com a falta de investimentos e recursos. A única ajuda vem da disponibilidade das canchas para preservar a cultura alemã nas cidades. A prefeitura de Santa Cruz do Sul também cedeu o terreno para as construções das mesmas. 

Mas foi só. O Centro Cultural 25 de Julho, um dos clubes presentes no Brasil, foi erguido por conta de mutirões de moradores em fins de semana. Viagens são pagas do bolso dos integrantes da equipe aliado a um ou outro patrocínio local das cidades gaúchas. 

"Por enquanto e infelizmente não temos nenhum apoio financeiro. Nem de órgãos governamentais e nem privados. As despesas correm por conta de quem viaja. Isto é um diferencial muito grande em relação aos outros países. Além de terem milhares de atletas para fazerem uma seleção, eles têm plenas condições financeiras para custear todas as despesas de uma competição. Aqui temos pouquíssimos atletas e muitas vezes quem é convocado não tem condições de pagar sua viagem", lamenta Sergio Bohm, outro integrante da equipe. 

Mesmo assim, eles seguem competindo em busca de um improvável reconhecimento. Diante do resultado conquistado no último Mundial, os próprios brasileiros engrossaram no pedido para que o eisstocksport entrasse em algum programa dos Jogos Olímpicos de Inverno. 

O papel brasileiro nesse lobby é importantíssimo. O país é o exemplo vivo de que uma modalidade de gelo pode dar certo em um país tropical. Quando o COI colocou o eisstock como esporte de demonstração nos Jogos da Juventude de Inverno, lá estavam três jovens do Brasil competindo e marcando presença. 

"A direção da Federação Internacional está em constante contato com COI (Comitê Olímpico Internacional) objetivando a aprovação do Eisstocksport, junto aos Jogos Olímpicos de Inverno. No Brasil temos grande esperança e estamos nos preparando para isso", confessa.
 

Tanto que nem mesmo uma migração para o curling é cogitada neste momento. O formato e as jogadas são semelhantes. "Já tive curiosidade de jogar, mas o acesso a essa modalidade é difícil. Quem sabe um dia veremos o eisstock juntamente com o curling em um programa olímpico de inverno e com equipes brasileiras nas duas modalidades".

Para isso, a meta agora é popularizar o esporte no próprio país. Apesar de todas as dificuldades em manter toda a estrutura alcançada sem uma ajuda sequer, o plano é levar a prática para outros estados. O plano também consiste em projetos voltados para crianças. Enfim, inserir o eisstocksport no circuito de esportes alternativos do Brasil.

Afinal de contas, se o curling caiu nas graças do brasileiro, por que seu irmão eisstocksport também não pode, não é mesmo? "Seja com ou sem recurso. Praticamos o Eisstock com o coração e é isso que vai fazer ele jamais acabar aqui no Brasil", conclui Eduardo. 

Veja um vídeo com um pouco da carreira de Eduardo Schuster, o nosso entrevistado e vice-campeão mundial de Eisstocksport: 

 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.