Resumão Olímpico - Sochi #5

Maria Hoefl Riesch no super combinado (Doug Pensinger/Getty Images)

Foi uma verdadeira maratona. Eu e o narrador Lucas Pereira entramos ao vivo na Record News às 7h43 e saímos apenas às 10h52. Fizemos dois eventos simultâneos: a patinação de pista curta e o curling, ambos no seu primeiro dia nos Jogos de Sochi. 

Foi uma experiência, porém única. E mesmo assim consegui ficar de olho nos outros eventos do dia. Vamos ao resumão de resultados, começando sempre pelas disputas de medalhas.

Esqui Alpino Super combinado

As primeiras medalhas do dia saíram na prova de super combinado feminino no esqui alpino. Esta prova é singular, pois une a velocidade do downhill numa descida e a técnica do slalom na segunda descida. 

Atual campeã olímpica e mundial da prova, a alemã Maria Hoefl Riesch venceu novamente com 2min34seg62. A medalha de prata ficou com a austríaca Nicole Hosp e o bronze foi para a incansável Julia Mancuso, que sempre cresce nas principais provas. Tina Maze, eslovena que dominou o esqui alpino na última temporada, foi a quarta colocada. 

Patinação Pista Curta

Como era de se esperar, logo no primeiro dia da patinação de pista curta tivemos várias quedas, algumas penalizações e favoritos dando adeus antes da hora por conta de um segundo de desequilíbrio.

Foi o que aconteceu com Da Woon Sin, da Coreia do Sul, na prova dos 1500 metros masculino. Campeão mundial, era o grande favorito ao ouro, mas tropeçou na pista e ainda por cima quase comprometeu a disputa do seu compatriota, Han-Bin Lee. 

Melhor para o canadense Charles Hamelin. Sempre à frente, preferindo enfrentar a resistência do ar do que correr o risco de ser derrubado por algum rival, ele dominou desde a primeira bateria até a final, conquistando o ouro com 2min14seg985. A prata foi para Tianyu Han, da China, e o bronze para o russo Victor An (atleta que já competiu pela Coreia do Sul). 

Ainda tivemos a abertura de duas provas femininas. Nas classificações dos 500 metros feminino, o melhor tempo foi da chinesa Kexin Fan, com 43seg356. Dezesseis atletas garantiram vaga para as quartas de final, que acontecerá na quinta-feira. 

Logo depois tivemos as provas do revezamento de 3 mil metros. A melhor marca foi da equipe sul-coreana. As atletas impuseram um ritmo muito forte e venceram por 4min08seg052. Além do país asiático, o Canadá, a China e a Itália também passaram para a final. O time italiano, aliás, contou com a sorte. A Holanda era a vice-líder da bateria e tinha uma certa folga, mas uma atleta acabou escorregando e caindo, abrindo caminho para as rivais. 

Biatlo

Vice-campeão mundial, o francês Martin Fourcade deu o troco no norueguês Emil Hegle Svendsen. Ele ficou com o ouro na prova de Perseguição em 12,5 quilômetros com o tempo de 33min48seg6 e apenas um tiro errado nas quatro paradas. A prata foi do tcheco Ondrej Moravec e o bronze do francês Jean Guillaume Beatrix. 

Dois fatos interessantes na prova. Emil Svendsen, o campeão mundial, foi apenas o sétimo colocado. Seu compatriota, Bjoerndalen, ficou em quarto, pouco mais de um segundo da sua 13ª medalha olímpica. Caso conquistasse o bronze, ele seria o atleta mais laureado em toda a história dos Jogos Olímpicos de Inverno.

Patinação de velocidade

A Holanda segue destruindo na modalidade. Mais um pódio completo, com três holandeses, nos 500 metros masculino e mais uma presença em família, com dois irmãos GÊMEOS, Michel e Ronald Mulder, no pódio.

Michel ficou com o ouro ao conseguir 69seg312 na somatória das duas corridas. Ronald foi o bronze, com 69seg460. Entre eles, o experiente Jan Smeekens, medalhista de prata com 69seg324.

O interessante é que essa prova é uma das poucas da patinação de velocidade em que os holandeses enfrentam forte concorrente dos asiáticos. Mas o campeão mundial Tae Bum Mo, da Coreia do Sul, foi o quarto e o japonês Joji Kato, vice mundial, ficou com a prata.

Moguls masculino

Os canadenses Alex Bilodeau e Mikael Kingsbury sempre dividiram o primeiro lugar do pódio no moguls masculino. Na temporada passada, Kingsbury foi campeão mundial e da Copa do Mundo e tudo indicaria que estaria à frente do compatriota, atual campeão olímpico, em Sochi. 

Ledo engano. Alex Bilodeau conseguiu uma apresentação muito boa e fez 26.31 pontos com 87,7% de desempenho, conquistando seu bicampeonato. Kingsbury teve que se contentar com a prata, com 24.71 pontos e o bronze surpreendente foi do russo Alexandr Smyshlyaev. 

Sidorova prepara o lançamento (Clive Mason/Getty Images)

Curling

Hoje foi o primeiro dia das partidas de curling. No masculino já tivemos duas rodadas. Na primeira, o Canadá, campeão olímpico, venceu a Alemanha por 11 a 8. O Reino Unido, muito forte por conta da Escócia, venceu a Rússia por 7 a 4 e silenciou um pouco o Cubo de Gelo. A Suécia, também favorita ao ouro, venceu a Suíça por 7 a 5 e a China mostrou força ao derrotar a Dinamarca por 7 a 4.

Na segunda rodada, destaque para a partida equilibrada entre Rússia e Dinamarca. Os países precisaram de um end extra para conhecer o vencedor. Para tristeza dos torcedores locais, os dinamarqueses venceram por 11 a 10. O Canadá tropeçou e perdeu por 5 a 4 para a Suíça (apesar de não ser considerado uma zebra). A Suécia venceu o Reino Unido por 8 a 4 e a Noruega venceu os EUA por 7 a 4. 

Entre as mulheres, acompanhei a excelente performance da equipe russa. Numa partida dura contra a Dinamarca, em que permitiram a reação rival, as russas conseguiram vencer por 7 a 4 com duas excelentes jogadas de Sidorova nos dois últimos ends. A Suíça fez 7 a 4 nos EUA. Numa repetição da final do Mundial feminino, a Suécia derrotou o Reino Unido por 6 a 4. Ainda tivemos o massacre canadense contra as chinesas: 9 a 2. 

Hóquei

Duas partidas de hóquei feminino hoje: um passeio de 9 a 0 dos EUA sobre a Suíça e uma vitória de 3 a 0 não tão fácil assim do Canadá sobre a Finlândia. 

Luge feminino

Começaram também as provas do luge feminino. Foram duas descidas nesta segunda-feira e serão mais duas descidas amanhã para definir as medalhistas. 

Novamente não houve espaço para outros países. A Alemanha surge favorita para conquistar não só o ouro, mas também a prata. A jovem Natalie Geisenberger fez as duas descidas em 1min39seg814, sete décimos atrás da compatriota Tatjana Huefner, atual campeã olímpica. A americana Erin Hamlin foi a terceira.

Natalie vem num ritmo muito forte desde a última temporada. Campeã mundial e da Copa do Mundo em 2013, Natalie tem tudo para seguir os passos de Felix Loch e criar um domínio incomum na modalidade. 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.