Grande marca

Escolhida para representar o Brasil nos Jogos Olímpicos de Sochi, a esquiadora Maya Harrisson mostrou neste sábado o motivo que levou a sua escolha. Totalmente recuperada de lesão, a brasileira voou numa prova de slalom gigante em S. Caterina Valfurvo (Itália). 

Maya (Divulgação/CBDN)
Ela terminou numa incrível sétima posição num total de 67 atletas que completaram as duas descidas. Certamente uma das melhores posições do país na temporada europeia de esqui alpino. A brasileira fez o tempo de 2min24seg95 e excelentes 55.44 pontos FIS. 

A marca, porém, não é recorde nacional. A vencedora foi a Zana Novakovic, da Bósnia, com 2min21seg07. A prova serviu de preparação para Maya, que disputará sua segunda Olimpíada. E com esse resultado, deve ir bem mais motivada e confiante, sem dúvida. 

E se a atleta está em reta final de preparação para Sochi neste fim de semana, duas jovens promessas do esqui alpino brasileiro usaram o fim de semana para competirem e ganharem mais experiência no circuito. 

Francisco Nobre competiu neste sábado em Claviere, na Itália, numa prova de slalom gigante. O brasileiro, porém, não conseguiu completar a segunda descida e ficou de fora da classificação final. O vencedor foi o italiano Pierre Lucinay, com 1min58seg67. 

Tobias Macedo competiu numa prova universitária em Bozeman, nos EUA na sexta-feira. Ele foi o 65º colocado (o penúltimo) com o tempo de 2min15seg77 e 165.86 pontos FIS. O canadense Trevor Philp venceu com 1min55seg49. 

O importante para os dois, agora, é ganhar experiência. Eles tem um bom futuro pela frente. Basta aproveitarem este momento para desenvolverem suas técnicas de esquiar. 

Base

Os irmãos e seus troféus (Reprodução/Facebook)
Até porque brasileiros bem mais jovens prometem elevar o nível do esqui alpino nacional. Os irmãos Esmeralda e Nathan Alborghetti competiram pela primeira vez na temporada. Eles participaram do Troféu Provincia di Aquila neste sábado, na Itália. 

E os dois conquistaram duas medalhas de prata na categoria Children II, a última etapa antes de entrarem para o circuito júnior da FIS. Esmeralda ficou na segunda posição entre as mulheres e Nathan repetiu o feito entre os homens. Os irmãos competiram pelo Esqui Clube Tre Nevi Ovindoli.

Nathan Alborghetti, inclusive, segue quebrando barreiras. Ele estava com o terceiro, quarto e quinto metacarpo quebrado e mesmo assim não pensou duas vezes: tirou o gesso da mão e competiu, mesmo com muitas dores. E ainda pegou medalha nesta prova regional. 

No fim de janeiro ele e a irmão participarão do Troféu Borrufa novamente (o torneio é um dos mais importantes na base do esqui alpino). Nathan e Esmeralda traçaram metas ousadas nos próximos anos: entrarem no circuito adulto da FIS e conquistarem índices para disputarem a Copa do Mundo de esqui alpino, que reúne a elite da modalidade. Como podemos ver, algo que não é tão difícil assim.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.