Vozes de Sochi - Isabel Clark (Snowboard)

Isabel (Renato Leite Ribeiro/CBDN)
Imagino que não é nada fácil continuar competindo quando logo de cara, na sua primeira participação olímpica, você consiga superar tudo o que já feito pelo seu país na história - e que não tão cedo alguém chegará perto disso. 

Mas se você pensa que esta situação intimida ou pressiona a carioca Isabel Clark, está muito enganado. Sete anos depois da histórica e inacreditável nona posição no snowboardcross nos Jogos Olímpicos de Inverno de Turim, ela garante: seu nível técnico aumentou e ela se sente pronta para mais uma edição dos Jogos. A terceira de sua carreira tardia. 


Avante!

Tardia porque tudo começou lá com 18 anos, quando ela conheceu o snowboard (e a neve) numa visita que fez ao irmão nos Estados Unidos. Logo em seguida esteve no primeiro campeonato brasileiro da modalidade. Não parou mais. E coleciona títulos desde então. 

Por conta disso, com quase 20 anos de estrada na modalidade, que Isabel sente que amadureceu. Ela ainda é a grande esperança de um bom resultado nos próximos Jogos de Inverno. A brasileira está na 14ª posição do ranking. Ela pode terminar no top 10 novamente. Se há alguma chance improvável de medalha, é com a snowboarder. Não tem jeito. Isabel é mesmo o rosto do nosso esporte de inverno. 

Estou tendo uma boa preparação e tive bons treinos. Sinto uma evolução técnica super importante na minha carreira. Me senti muito consistente nesta última temporada. O meu nível aumentou. Tanto que poderia até ter sido melhor nos resultados", confirmou a atleta ao Blog Brasil Zero Grau. 

Os resultados ficaram dentro do esperado. Isabel sempre esteve entre as 15 melhores e na última temporada conseguiu avançar até a semifinal e terminar entre as 12. Numa prova, fez o quinto melhor tempo na eliminatória. 

Desempenho que a aproxima de sua terceira participação olímpica. A brasileira precisa terminar entre as 24 melhores do ranking até janeiro. Algo que parece simples, para quem sempre fica entre as 15, 16 melhores do mundo.Mas é aí justamente que ela redobra a atenção. 

"Ainda faltam cinco competições. Tem que ser bem inteligente e dar o melhor, mas tem que ter leitura da pista. O que a gente menos quer é ter lesão antes dos Jogos Olímpicos. Vou dar o meu melhor e ao mesmo tempo ser inteligente", afirmou. 

Para isso, já está fechando uma parceria com Valle Nevado, para criar uma espécie de centro de treinamento por lá durante a temporada sul-americana, de julho a agosto. Através de seus contatos, levará a equipe de snowboard do Canadá para Ushuaia, na Argentina, a fim de realizar training camps com a equipe brasileira. 

Tudo para estar presente novamente na pista de Sochi, onde ela já pôde competir e gostou do que viu. "Foi uma das mais exigentes da Copa do Mudo. Os obstáculos eram enormes, apesar da pouca neve. Foram bem feitos, diferente de Vancouver. Foi uma pista muito prazerosa de descer. Estou ansiosa para andar nela de novo", confessou. 

A torcida nossa é de que isso se concretize. E, por que não, com um resultado tão surpreendente ao de Turim, não é mesmo?

Confira entrevista do Blog Brasil Zero Grau com Isabel Clark na festa da CBDN:

 

4 comentários:

  1. Menos babação de ovo e mais fatos.
    Sejamos realistas até agora não fez nada.

    As classificações, provas e tudo mais não mentem. resultados medíocres, pelo tanto de grana que está ganhando/sendo investido nela.

    Seria melhor se ficasse atrás da mesa de escritório, lambendo o saco da familia Arnhold, vulgo dona da CBDN, que diga-se de passagem é uma panelinha do cacete.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antes que eu me esqueça Sr. ou Sra. anônima, vai passar 20 anos vivendo no inverno, dinheiro investido? Opa, para! 1% dos orçamentos de qualquer potência mundial eu creio. Panelinha, chega lá compete, tenha um excelente resultado que desde o primeiro campeonato 1995 até hoje para os bons atletas sempre teve apoio.
      Mantenha-se anônimo(a) mesmo pra citar um sobrenome que merece homenagem no quesito competição, promoção, organização e que trabalha muito pelos esportes de inverno.
      Esse comentário seu deve ser apagado em breve já que além de tudo começa com o que te representou, "menos"!
      Força Isabel, Sochi 2014!!!!
      Aloha galera da neve, saudades...
      Abraço, Beto

      Excluir
    2. Valeu Beto! E parabens pela iniciativa, Gustavo.
      Acho que o pior deste comentario é a proximidade e o recalque dentro da pequena comunidade da neve no Brasil.
      Acho que o lugar para esse tipo de reclamação é numa reuniao com a CBDN e não em publico.
      Por isso concordo que deva ser apagado e essa pessoa (atleta?) pensar melhor no que deve fazer.
      Abs!
      Leo

      Excluir
  2. Obrigado Leo Clark, Beto e até mesmo este anônimo.
    Não apaguei o comentário ainda por acreditar que este espaço é livre para os leitores colocarem suas opiniões. Lamento apenas que a coragem que este anônimo teve para "denunciar" esta situação tenha desaparecido para assumir seus atos.
    Isso, na minha opinião, já desqualifica tudo o que ele escreveu aí em cima.
    Resultados mostram que ela é capaz sim, como escreveu o Beto. Afinal de contas, terminar entre as 15 melhores do mundo não é para qualquer um. A menos que o anônimo seja Dominique Maltais, o que não é o caso, não justifica tamanho rancor.
    E aqui fica a sugestão de Leo Clark, aceita por este blog: se você é atleta, ou tem ideia para a gestão dos esportes de inverno da CBDN, o seu lugar não é apenas na caixa de comentários deste blog!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.