He's back!

Nos últimos Jogos Olímpicos de Inverno, a Rede Record realizou a primeira cobertura in loco de uma emissora de televisão aberta aqui do Brasil. Quando todos esperavam que o bobsled, o esqui alpino ou snowboard rendessem as maiores audiências da casa, foi a patinação artística no gelo e o curling que seguraram o ibope da rede paulista. 

Reprodução/Facebook
O caso do curling deve ser estudado à parte, mas o fascínio da patinação artística é latente: o esporte tem tudo para ser considerado um dos mais bonitos de toda a Carta Olímpica, incluindo aí os Jogos de Verão. Há toda uma fantasia desenvolvida de acordo com seu praticante, música que exige saltos e coreografia que brilham aos olhos e, é claro, os rostos bonitos e corpos perfeitos de atletas que malham e treinam duro.

Por tudo isso, muitos patinadores artísticos se sobressaem também como atores e atrizes de televisão e cinema. Afinal de contas, a essência da patinação nada mais é do que a interpretação em cima de um ringue de gelo aliado ao caráter técnico dos programas curtos e longos. 

Mas a vida glamourosa de ator e as mensagens carinhosas de fãs (a maioria mulheres) enviadas via twitter ou por e-mail não sensibilizaram o primeiro patinador artístico de gelo do Brasil a disputar provas internacionais. E ele garante que o objetivo é um só: estar presente nos Jogos Olímpicos de Inverno em Sochi, 2014. 

"Tenho tido a sorte de pegar alguns papéis em shows de TV, mas posso garantir a você que eu estou muito focado em retornar ao cenário competitivo internacional neste ano e me preparar para os Jogos Olímpicos", afirmou o atleta categoricamente numa entrevista exclusiva por e-mail. 

Claro que não estamos falando de Luiz Manella. Aliás, o jovem de 18 anos se inspirou um pouco neste atleta nascido em Toronto, no Canadá, e filho de uma brasileira com um português. O nome deste verdadeiro pioneiro é Kevin Alves. 

Ele nasceu em outubro de 1991 e começou quase que por acaso na patinação artística. Com seis anos, acompanhava a irmã num ringue em que ela patinava e ficava em volta, observando. Mas só quando viu uma apresentação de Kurt Browning, canadense tetracampeão mundial da modalidade, que Kevin resolveu seguir o esporte. 

Não parou mais. Em 2007 resolveu mandar um vídeo para a Confederação Brasileira de Desporto no Gelo para saber se tinham interesse que ele representasse o país natal de sua mãe. Coincidiu com um convite feito da CBDG à Marcel Stürmer, patinador medalhista em Jogos Pan-Americanos, que resolveu declinar da proposta. 

Aquele menino canadense com a mãe carioca realmente caiu do céu. Desde então, começou a participar de competições internacionais pelo Brasil. "Eu me sinto honrado em ser um dos pioneiros da patinação artística no gelo do Brasil", afirmou ao Blog. 

Reprodução/Facebook
Na temporada 2007/2008 esteve presente nos Quatro Continentes, onde terminou na 19ª posição e do Mundial Júnior, onde foi o 36º. Dois anos depois, a evolução foi crescente. Nos Quatro Continentes, ficou na 17ª posição. No Mundial Júnior foi o 19º e no Mundial adulto/Senior foi o 27º num total de 46 atletas. Em 2010 foi o 10º no Grand Prix Júnior de Courchevel (França) e em 2011 representou o Brasil na Universíade de Inverno, onde ficou em 19º. 

A vaga olímpica parecia ser questão de tempo para Kevin Alves, mas no início de 2012 sofreu uma lesão séria no tornozelo que o deixou de fora no restante do ano. Sem poder treinar e competir na patinação, era hora de investir em outra área. É aí que entra a atuação. 

"Desde que eu tive mais tempo fora do gelo, decidi começar minha carreira de ator com um treinamento num estúdio em Toronto". 

Passou nos testes e começar a atuar em seriados e algumas novelas canadenses. Ganhou fãs, algumas críticas positivas e fez um certo nome na área. Mas era uma forma de se manter ativo e realizar um treinamento que pudesse ajudá-lo dentro da patinação artística. 

"Eu acredito que elas se ajudam. Sendo atleta disciplinado, transferi isso para ser um melhor ator. A expressividade e capacidade de contar uma história na atuação também fez minha patinação ser mais atraente para os juízes e a audiência. Tenho 21 anos e mesmo que seja difícil conciliar as duas carreiras, eu não vou desistir enquanto tiver capacidade física e mental para lidar com ambos. Mas no momento o foco principal é se classificar para os Jogos Olímpicos de Sochi", informou. 

Tanto que Kevin já escolheu sua música para o programa longo nesta temporada: Máscara do Zorro (lembrando sempre que a música acompanha o atleta em todas as competições em que ele participar, sem alterações). Já faz um planejamento com seu time para ver quais disputas ele estará presente neste ano. Além, é claro, da repescagem olímpica em outubro, que dará as últimas seis vagas restantes na patinação artística. "Não há dúvida de que vocês me verão logo numa competição", garantiu. 

Não há dúvida mesmo. Kevin Alves, um dos nossos pioneiros na patinação artística do gelo, está de volta! 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.